Dá dinheiro mas não dá poder…


É como já dizia o poeta: “O dinheiro tira o homem da miséria mas não pode arrancar, de dentro dele, a favela”

Há alguns anos trabalhei numa fábrica e o ritmo era de confinamento total. Entrava 8 da manhã, sonolento, e saía lá pelas 22 ou 23 da noite. Ou seja, minha vida era aquilo. Meu “meio” era aquilo. Então tive de aprender a conviver com os diversos tipos de pessoas que por lá trabalhavam.

Nesse curto espaço de tempo, aproximadamente um mês, que consegui aguentar esse ritmo quase que inumano, fui apresentado a essa frase, a do título. Trouxe ela comigo. Na verdade, desse tempo, essa frase foi a terceira coisa que trouxe comigo. A primeira foi dor e a segunda foi uma vontade insana de nunca mais ter de passar por isso na minha vida. Mas isso é assunto pra alguma outra ocasião.

Mas não é que é verdade…?

Pode observar… ao primeiro sinal de poder que recebemos de alguém, mudamos. Dificilmente, pro exterior, pra “melhor”. Trocamos nosso padrão, nosso status. Mas qual será o motivo disso?

Uma das maneiras que busco enxergar é que o próprio “meio” precisa dessa mudança de alguém. Sempre que nos confiam coisas, procuramos atender da melhor maneira possível. Isso faz com que passemos a enxergar situações por outros prismas. Às vezes, uma forma melhor de mudar o “todo”. Ou não.

Existem alguns exemplos todos os dias nos jornais de pessoas que foram agraciadas com poder e não souberam usar isso de forma que pudessem ajudar outros. Políticos são os primeiros a serem usados como exemplos. Não defendo, pelo contrário. Por mim, prendiam-se todos! Mas saindo desse âmbito, professores, de certa forma, também podem ser colocados “nesse saco”. Não pela questão da corrupção, óbvio (se bem que uma boa parte é bastante corruptível), mas por terem uma forma de poder e usar isso de forma autoritária e pedante. Infelizmente não sabemos lidar com formas de poder. Esse que é o fato.

Mas se tem uma coisa que é certa, essa coisa é que vão existir prejudicados nisso tudo. Vão enxergar quem detém o poder da pior maneira. Vão crucifica-lo por isso, talvez.

Não é totalmente injusto, um dia crucificamos e enxergamos alguém da pior maneira possível, também.

Esse pré-julgamento que é cruel e devemos evitar. Até porque nunca vamos saber o que o amanhã tem pra gente. Mas sempre esperamos que seja um tantinho só que seja de poder.

Compartilhe sua opinião