O monstro do armário

Medos nos acompanham desde o nosso nascimento. Recentemente um estudo divulgou que assim que chegamos ao mundo, nossos primeiros medos são o de cair e de barulhos. Com o tempo vamos crescendo e seja pela família e a mãe dizendo “não bota o dedo na tomada”, “o monstro pega quem não dorme”… até hoje em dia, quando os medos se tornaram, digamos, “modernos”.

Medo era rotineiro na vida da Marielem.  Desde pequena, sempre ouviu a mãe falar em um tal de monstro do armário. E seria naquela quinta-feira quente que ela estaria em frente a um. Adulta, morando sozinha e independente. Foi nessa quinta que ela resolveu tomar banho e dormir mais cedo, mas um barulho no armário a deixou inquieta.

– AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH.

E não era por menos. Um monstro, vestindo suas roupas, saiu de dentro do armário, também assustado.

– AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH – disse o montro

– AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH – Mais uma vez disse Marielem.

O monstro era negro como o petróleo. Tinha escamas no lugar da pele e dedos enormes, em formato de pinça. Marielem recua e ele se prepara para dar mais um grito, mas é interrompido por um vizinho, que grita, incomodado com o barulho.

 – Ok, vamos nos acalmar que a situação está saindo do controle. – disse ele.

Você é o mostro do armário? – disse Marielem, sem conseguir esconder o nervosismo.

Monstro do armário? – perguntou incrédulo, e logo depois soltou uma gargalhada –  Quantos anos você tem? Sete?

– 22…

 – Nada mal, hein? – ele reponde enquanto olha o corpo dela, coberto por uma pequena camisola de cetim.

– Quem é você e o que você está fazendo nas minhas roupas? E por que você está usando uma calcinha minha? – Recuperando a coragem. Afinal nada mal receber um elogio, seja lá que criatura for essa.

– O mercado anda concorrido. As pessoas não sentem mais medo de monstros e fantasmas, então nós precisamos nos adaptar ao padrão de vida de vocês. Você sabia que uma pesquisa de mercado recente disse que as mulheres sentem mais medo hoje de engordar, do que de qualquer outra coisa?

– Deixa eu ver se eu entendi. Você fica no meu armário encolhendo as minhas roupas para que pareça que eu engordei? Então esse tempo era você?

– Gênia!

– Então eu não estou gorda?

– Olha, essa pergunta é complicada de responder pra uma mulher. Sou um monstro, mas ainda tenho amor à vida, embora não a tenha.

Marielem corre para a balança do banheiro, dessas que se compram nas farmácias e sempre dizem que erra o peso.

 400 Gramas?? – diz ela em tom incrédulo.

– Ai, a dierta deu certo, não disse. Bom, deixa eu continuar o meu emprego no ape 402….

– Não, eu engordei 400 gramas. Sabe o que eu vou fazer? Eu vou tomar esses comprimidos aqui para dormir e quando eu acordar tudo isso já vai ter passado e se DEUS QUISER você vai ter ido embora.

Marielem toma uma cartela de Rivotril e apaga em um sono profunto. Nesse instante um  fantasma, sai de dentro da balança do banheiro.

– 400 gramas? Porra, eu teria logo aumentado o peso dela em dois quilos. – disse o monstro do armário.

– 400 é o suficiente. Você viu a cara dela? hahahahahah

 Elas sempre caem nessa.

 Sempre…. E o que será com a vizinha do 403, balança ou barata no travesseiro?

Compartilhe sua opinião