Um Tirano Muito Trapalhão


Ilustrador convidado: João Rodrigues

Gostaria de entender a lógica dos que acham que o mundo inteiro está errado e quem está certo é um cara que corre atrás de ema com uma caixa de cloroquina na mão. Ou então do por que chamam de herói da nação um presidente que deixou de gastar 80 bilhões de reais do orçamento aprovado para enfrentar a pandemia, enquanto o país mergulhava no caos. Quer dizer, ainda mergulha.

O bolsonarismo virou uma espécie de inversão generalizada de valores: compre uma arma (liberando 6 fuzis por pessoa), eduque sem escola (cortando em 2.7 bilhões a verba das escolas e faculdades), coma veneno (liberando 967 agrotóxicos), cace animais (extinguindo o poder do Ibama), corte uma árvores (tentando legalizar a grilagem), mate minorias (são tantos exemplos que nem cabem em parênteses) e viva sem arte (acabando com o ministério da Cultura).

E o pior é que Bolsonaro não está sozinho nessa luta às avessas. Como todo bom tirano, ele tem uma cúpula de ministros-comparsas que a cada dia nos mostram que é possível bradar por moralidade sem ter nenhuma. Como o Ricardo Salles, que deveria se preocupar com o meio-ambiente, mas acha mais importante discutir se a Anitta parece ou não um Teletubbie. Ou então como a Damares, que se veste do manto da hipocrisia e usa o nome de Deus para mentir, falando que “Não precisa comprovar que fez mestrado como apontou no currículo, pois o seu mestrado é bíblico”.

E isso se estende também a sua família, com a primeira dama fazendo um discurso em libras na posse e no dia seguinte teve a secretaria de assistência aos surdos extinguida. E o filho Flávio, zero alguma coisa, que, criticou o isolamento a todo custo e, na hora que a CPI da Covid foi estabelecida para investigar os crimes da gestão do pai, chamou essa investigação de irresponsável por “em algum momento precisarem de sessões presenciais”.

Mas o foco aqui é mostrar como o próprio Jair, que mora na Casa de Vidro, é essa inversão de valor. Ele que se diz tão cristão e tão antipetista, queria falar mal do Lula e dos programas de assistência social de seu governo o comparando a… rufem os tambores… Jesus Cristo. Alfinetando Jesus por dividir o pão e seus seguidores por o seguirem “apenas por eles lhes dar comida”. Quem diria que uma pessoa faminta seria grata a quem lhe deu de comer?

Aliás, quem diria que após esse episódio Bolsonaro ainda teria a coragem de usar a linguagem de matador de aluguel carioca uma semana depois? Sim! Depois de falar que Lula é tipo Jesus, ele foi num programa de TV do Amazonas brincar com a gíria “CPF Cancelado”, zoando aqueles que morrem nas mãos da milícia (que controla 57% do território carioca e recebeu “somente” 37.883 denúncias em 2019).

E é no meio desse mosaico de horrores que Bolsonaro está montando com o nosso país, tem sujeito que está desempreGADO, com imóvel aluGADO, comprando tudo com preço salGADO e ainda apoia o rei do GADO. Para mim, essa pessoa só pode ter um cérebro extra-GADO.

* * *

Ilustrador convidado:

João Rodrigues

Eu tenho 25 anos, sou publicitário de formação e apaixonado por fotografia de arquitetura. Me interesso por todo tipo de arte visual, minha busca como artista é tentar simular o desenho tradicional no digital.

👉  Conheça o trabalho do João no seu instagram.

Compartilhe sua opinião